O site e guia da cidade

Maio Cinza: um alerta para o câncer de cérebro!

0

- Anúncios -

Maio Cinza: um alerta para o câncer de cérebro!

Existem fatores, inclusive externos como a exposição à radiação ionizante, que aumentam risco para o desenvolvimento de tumores cerebrais

Maio é o mês de conscientização do câncer de cérebro, um tumor potencialmente grave por atingir o órgão responsável pelo controle de todas as funções do nosso corpo. O Instituto Nacional de Câncer (INCA) estima que no Brasil sejam diagnosticados 11.090 novos casos de câncer cerebral anualmente, sendo 5.870 homens e 5.220 mulheres neste ano. Atualmente, ocupa a décima posição entre os tumores mais frequentes nas mulheres brasileiras e a décima primeira posição entre os homens. Esses números tendem a ser muito maiores se forem considerados, também, os tumores benignos do sistema nervoso central. 

Segundo o médico David Pinheiro Cunha, oncologista e sócio do Grupo SOnHe – Sasse Oncologia e Hematologia, o tumor no cérebro pode ter apresentações variáveis. “É frequente, nos benignos, o paciente permanecer assintomático por um período prolongado, isso porque o tumor cresce lentamente e o cérebro vai se adaptando. Podem ocorrer também sintomas focais, que são dependentes do local em que está localizado o tumor, podendo cursar com perda de força em alguma parte do corpo, alteração na visão, audição, fala e comportamento. Porém, vale ressaltar que as manifestações, na maioria dos casos, são inespecíficas como sonolência, náuseas, vômitos, crise convulsiva ou dor de cabeça”, explica. 

O neurocirurgião Victor Vasconcelos, CEO da Relevance Neurocirurgia, ressalta que, no sistema nervoso, a classificação de tumores benignos ou malignos pode não representar a real ameaça que a presença da lesão causa, uma vez que mesmo tumores benignos são capazes de gerar graves consequências à saúde, caso se localizem em áreas nobres do sistema nervoso. “Existem alguns fatores que aumentam o risco para o desenvolvimento de tumores no cérebro, como a exposição à radiação ionizante, histórico familiar de câncer e doenças genéticas, condições que afetam a imunidade (em pacientes com AIDS ou uso de medicamentos imunossupressores) e presença de outro câncer (em especial melanoma, mama e pulmão). Outras condições são frequentemente estudadas, mas ainda necessitam comprovação quanto ao risco de desenvolverem o câncer cerebral como o uso excessivo de celulares, substâncias tóxicas utilizadas na indústria e agricultura (como arsênio ou chumbo), proximidade com redes de alta tensão, uso de aspartame em adoçantes e a infecção por alguns tipos de vírus”, aponta. 

De acordo com o Dr. David, no que se refere à agressividade, os tumores benignos – que apresentam crescimento lento – podem ser acompanhados por exames de imagem periódicos ou tratados com cirurgia com altíssimas chances de cura. “Já os tumores malignos apresentam crescimento rápido, presença de sintomas e necessitam de tratamentos mais agressivos. Dentre os tumores malignos, o glioblastoma multiforme é o que apresenta menores chances de cura, apesar do avanço do tratamento nos últimos anos”, explica

Com relação à prevenção, o Dr. Victor conta que algumas medidas podem ser tomadas, como evitar a exposição à radiação ionizante e às substâncias tóxicas. “No entanto, alguns fatores de risco não dependem do comportamento do indivíduo, como os relacionados ao histórico familiar e a presença de outras doenças. Diante disso, o papel do diagnóstico precoce se torna uma das principais armas para prevenir o dano da doença. A identificação do quadro numa fase inicial é fundamental para a implementação do correto tratamento, o que pode determinar a capacidade de controle ou até a cura do paciente e reduzir muito a chance de sequelas neurológicas. Até o momento, contudo, não há benefício comprovado de recomendar exames de triagem para pessoas que não apresentem sintomas sugestivos dos tumores cerebrais nem uma das condições de risco supracitadas”, afirma o neurocirurgião.

Então, quando devo me preocupar com uma dor de cabeça? “A cefaleia, conhecida como dor de cabeça, é o sintoma mais comum do câncer de cérebro, acontecendo em 33 a 71% dos casos.  Porém, nem todo quadro de cefaleia é sugestivo de tumor cerebral; se for um sintoma diário e persistente ao longo de dias, com intensidade crescente e mais comum à noite ou ao acordar, é um sinal de alerta. Deve também ser sempre investigada quando acompanhada de sinais e sintomas, como vômitos recorrentes, crises epilépticas, sonolência excessiva, confusão mental, deficiência gradual da movimentação ou da sensibilidade de alguma parte do corpo e dificuldades de fala e da visão”, explica o oncologista Dr. David. 

Equipe completa e tecnologia: boa chance de cura

A boa notícia é que a maioria dos tumores cerebrais podem ser curados. É importante que o tratamento seja individualizado e realizado por uma equipe completa composta por neurocirurgião, oncologista, radioterapeuta, patologista e radiologista. “De uma forma geral, a cirurgia é o principal tratamento. Atualmente, diversas tecnologias foram incorporadas na neurocirurgia, como monitorização intra-operatória e métodos minimamente invasivos, possibilitando a diminuição do risco de sequelas no ato cirúrgico. A associação de radioterapia e quimioterapia geralmente é necessária nos tumores mais agressivos, considerados de alto grau. No entanto, em outros casos, o tumor pode não ser eliminado completamente e o paciente pode ter que conviver com o tumor. O acompanhamento nesses casos deve visar sempre minimizar os sintomas causados pela lesão, a fim de promover a melhor qualidade de vida possível”, afirma o neurocirurgião.

Ambos profissionais reafirmam que, apesar dos avanços nas técnicas de tratamento, o diagnóstico precoce ainda é a principal arma para aumentar as chances de cura e reduzir as sequelas. “Por isso, a importância do Maio Cinza, que tem como objetivo conscientizar a todos sobres os sintomas que devem ser investigados. Mesmo durante o período de pandemia, importante lembrar que a COVID-19 não é a única vilã!”, finaliza Dr. David.

David Pinheiro Cunha é oncologista com residência em Oncologia Clínica pela Unicamp. Graduado em medicina pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC Campinas) e residência em Clínica Médica pela PUC Campinas. Possui título de especialista em Oncologia Clínica pela Associação Médica Brasileira – AMB/SBOC. Realizou observership no serviço de Oncologia em Northwestern Medicine Developmental Therapeutics Institute, Chicago, Illinois, EUA. É membro da Diretoria Científica da disciplina de cancerologia da Sociedade de Medicina e Cirurgia de Campinas (SMCC). É membro titular da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC) e da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO). É sócio do Grupo SOnHe – Sasse Oncologia e Hematologia e atua na Oncologia do Radium Instituto de Oncologia, do Hospital Santa Teresa e do Hospital Madre Theodora.

Victor Vasconcelos é neurocirurgião oncológico do Radium Instituto de Oncologia, Centro Infantil Boldrini e do Grupo Relevance Neurocirurgia. Coordenador do Serviço de Neurologia e Neurocirurgia do Hospital e Maternidade Madre Theodora e de equipe do Hospital e Maternidade Santa Teresa.  Formação: neurocirurgião e Mestre pela Unicamp. Especialização em Neuro-oncologia pelo Hospital Sírio Libanês. Fellow em Neuro-oncologia Johns Hopkins Hospital (Maryland – EUA) e em Cirurgia endoscópica mimimamente invasiva de crânio pela Ohio StateUniversity (OHIO – EUA). Membro titular da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia.

Por Carolina Pimentel

Deixe uma resposta

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar Aceito Leia Mais

Política de privacidade e cookies