O site e guia da cidade

Estou com o “nome sujo”. O que acontece depois de 5 anos?

0

- Anúncios -

Estou com o “nome sujo”. O que acontece depois de 5 anos? 

Advogado esclarece dúvidas sobre situações que envolvem o consumidor com o nome negativado 

Com a crise financeira agravada pela pandemia, muitos brasileiros estão tendo dificuldades em pagar suas dívidas. Segundo dados da Serasa, de fevereiro a março de 2021, o número de inadimplentes subiu de 61,53 milhões para 62,56 milhões. Como consequência, logo também cresce o índice de negativados nos órgãos de proteção ao crédito como a própria Serasa e o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC).  E quando isso acontece, quem nunca ouviu algum cidadão afirmar que depois de cinco anos o nome estará limpo e a dívida prescrita? Mas, até onde isso é verdade?  

O advogado e professor da UNINASSAU Petrolina, Micael Benaic, esclarece que a situação não é totalmente assim. “Passado o prazo de cinco anos, ocorre a prescrição, ou seja, a pretensão de se cobrar a dívida judicialmente. Com isso, após esse prazo, o nome do devedor deve ser retirado do banco de dados do SPC/Serasa, mas a dívida continua existindo. Assim, a empresa poderá continuar cobrando, mas não judicialmente. Essa cobrança somente poderá ser feita de forma educada e civilizada, jamais expondo o devedor em situação constrangedora”, explica o advogado.  

Após os cinco anos, o cidadão voltará a ter o “nome limpo” e poderá realizar compras utilizando seus dados. Caso o nome seja mantido negativado, o consumidor tem o direito de acionar a justiça. “Se a empresa negativa novamente o nome do consumidor, este poderá procurar um advogado de sua confiança, e ajuizar uma ação judicial, exigindo a imediata exclusão do nome do cadastro de inadimplentes e pedir, ainda, uma indenização por danos morais resultantes do cadastro, que agora será considerado como indevido”, destaca Micael.  

Já na situação da empresa ajuizar a dívida dentro do espaço legal, a sentença judicial pode obrigar o devedor a pagar a dívida, sob pena de medidas coercitivas como a multa, por exemplo. Diante disso, para evitar possíveis transtornos, o advogado recomenda a negociação. “Aconselho que os devedores procurem a empresa credora, para tentar, amigavelmente, renegociar a dívida, de modo que os termos do acordo sejam benéficos para ambas as partes”, orienta.  

Deixe uma resposta

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar Aceito Leia Mais

Política de privacidade e cookies