O site e guia da cidade

Daniel Almeida apresenta projeto de lei que visa “aliviar o bolso” de trabalhadores que tiveram redução de salários durante a pandemia

0

Daniel Almeida apresenta projeto de lei que visa “aliviar o bolso” de trabalhadores que tiveram redução de salários durante a pandemia

O deputado federal defende que haja suspensão do pagamento das parcelas de operações de crédito consignadas em folha de pagamentos para esses profissionais

“Estamos vivenciando um quadro grave e problemático para a economia e para o emprego”, pontua Daniel Almeida, deputado federal, que protocolou o PL 1408/21, como mais uma alternativa de alívio financeiro para profissionais que enfrentam dificuldades advindas com a pandemia do coronavírus.

O projeto de lei preconiza a suspensão do pagamento de operações de crédito contraídas com desconto em folha para os trabalhadores que tiveram redução de jornada de trabalho e, por consequência, de salários, enquanto durar a pandemia de Covid-19. De acordo com o texto, débitos de parcelas de operações de empréstimos, de financiamentos, de cartões de crédito e de arrendamento mercantil ficam suspensos.

“Não há outro caminho que não seja procurar reduzir os efeitos desta trágica situação”, defende o parlamentar. “Precisamos aliviar a situação financeira daqueles que tiveram seus salários reduzidos durante esta crise pela qual passamos”, pontua. Daniel também defende a renovação do auxílio de R$600, por conta da crescente do desemprego no país.

DADOS – De acordo com a Agência Brasil, a taxa média de desemprego no País atingiu 13,5% em 2020, enquanto em 2019 foi de 11,9%. Ainda segundo o portal, “os efeitos da pandemia da covid-19 sobre o mercado de trabalho provocaram alta recorde de desemprego em 20 estados”.

Verificou-se também que as taxas mais altas de desemprego foram registradas no Nordeste, tendo sido a Bahia, com percentual de 19,8%, aquela que teve a maior taxa de desocupação em 2020, seguida de Alagoas, que apresentou 18,6% de desemprego, Sergipe, que registrou 18,4%, e Rio de Janeiro, com a marca de 17,4%.

“O Brasil, que já fora vista como “país do futuro”, agora segue com recordes desastrosos. São 14,3 milhões de pessoas desempregadas e temos um auxílio de valor irrisório que não custeia, sequer, uma cesta básica. Precisamos nos mover no sentido de ajudar trabalhadores e trabalhadoras a superar esse período nefasto, e continuar na defesa da ampla vacinação no SUS”, complementa Daniel.

Deixe uma resposta

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar Aceito Leia Mais

Política de privacidade e cookies