O site e guia da cidade

MPF pede suspensão de concurso da PF por impedir candidatos que se prostituiram

0

MPF pede suspensão de concurso da PF por impedir candidatos que se prostituiram

O Ministério Público Federal do Rio de Janeiro (MPF-RJ) moveu uma ação civil pública contra o concurso da Polícia Federal por proibir a participação de candidatos que praticaram atos de “prostituição”. O edital do concurso indica que como impeditivo de participação a “fatos que afetam o procedimento irrepreensível e a idoneidade moral inatacável do candidato”, e prevê, entre os impeditivos, a “prostituição” e a “prática de ato atentatório à moral e aos bons costumes”.

O edital foi lançado em junho de 2018 para vagas de delegado da Polícia Federa, perito criminal, agente de Polícia Federal, escrivão e papiloscopista. A PF, em resposta ao procurador da República Sérgio Gardenghi Suiama, informou que a fase da investigação social do concurso tem como objetivo apurar se o candidato “possui procedimento irrepreensível e idoneidade moral inatacável, conforme preconizam os incisos V do artigo 9o da Lei 4.878/65 e I do artigo 8o do Decreto-Lei 2.320/87”. O procurador autor da ação afirma que o edital contraria a Constituição Federal e o entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF). O MPF chegou a pedir que a PF retirasse o critério da seleção de candidatos, mas o pedido não foi acatado. Para a Polícia Federal, é importante que o cargo seja ocupado por pessoas com idoneidade moral para não colocar em risco atividades e operações do órgão.

O procurador da República afirma que o STF entende que qualquer restrição para o desempenho da função pública contida em editais, regulamentos e portarias não tem amparo legal. Suiama afirma que a prostituição, como decidido pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) não é atividade ilícita, desde que não seja praticada por menores de 18 anos e pessoas que sejam vulneráveis, destacando ainda que o ato sexual deve ser decorrente de livre disposição da vontade dos participantes e não implique violência (não consentida) ou grave ameaça. O procurador que a PF seja condenada a se abster “de incluir critérios de discrímen que não constem de lei em sentido formal ou que sejam constitucionalmente vedados ou excessivamente abertos ou subjetivos, em especial, o exercício anterior da prostituição, a ‘prática de ato atentatório à moral e aos bons costumes’ e a prática de ‘outras condutas que revelem a falta de idoneidade moral do candidato’”.

Por BN

Deixe uma resposta

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar Aceito Leia Mais

Política de privacidade e cookies