O site e guia da cidade

Novo modelo de produção de ovinos e caprinos é apresentado a produtores rurais durante a Expocuraçá

0

Novo modelo de produção de ovinos e caprinos é apresentado a produtores rurais durante a Expocuraçá

Durante todo o final de semana (21, 22 e 23) criadores de ovinos e caprinos que participaram da 8ª Expocuraçá, tiveram a oportunidade de conhecer um novo modelo de produção desses animais.

No evento realizado no parque de exposições da cidade de Curaçá (BA), pela prefeitura municipal com o apoio do Sebrae, foi montada uma unidade produtiva (aprisco) com capacidade para 50 matrizes com o objetivo de demonstrar para os produtores a maneira correta de criar os animais para se obter lucro em um espaço menor de tempo.

Foi montado também um Creep feeding, que é uma espécie de cocho privativo, onde é feita a suplementação de um a dieta de animais jovens, principalmente borregos e cabritos, oferecendo alimentos para animais que ainda estão mamando.

Para concluir o processo produtivo, foi construído um sistema de confinamento do cabrito e do cordeiro, mostrando para o produtor rural que se ele investir em alimentação terá retorno no seu negócio.

A nova estratégia defendida pelo Projeto Bioma Caatinga, desenvolvido pelo Sebrae Juazeiro e a Fundação Banco do Brasil, estimula os criadores a produzirem em confinamento o cordeiro e cabrito, abatidos em três momentos e por definição do seu produto: O cabrito e o Cordeiro Lechal ou mamão, como também é conhecido no Brasil, que deverá ser abatido e comercializado com 30 dias de vida, o Cabrito e o Cordeiro precoce que deverá ser abatido e comercializado com 60 dias de vida, e o cabrito e o cordeiro que deverá ser abatido e comercializado até 150 dias de vida.

De acordo com Robério Araújo, analista do Sebrae e coordenador do Projeto Bioma Caatinga, mantendo os animais em confinamento, investindo em ração um valor de R$ 5,32 (Cinco Reais e Trinta e Dois Centavos) por animal, o produtor poderá ter um rendimento bruto de R$ 210, 00 (Duzentos e dez reais), em cada cabrito ou cordeiro abatido com essa idade, se sua opção for produzir o Lechal. Optando pelo cabrito e cordeiro precoce seu custo é de R$ 14,44, com rentabilidade, já percorrendo todos os 150 dias tem um custo com alimentação de R$ 64,30. A decisão das opções deve ser considerada pelas características da propriedade, mercado e capital de giro disponível.

“Nós estamos mostrando para os criadores, por exemplo, que se eles gastarem R$ 5,32 (Cinco reais e trinta e dois centavos) eles conseguem dar uma boa alimentação ao borrego ou ao cabrito para que ele tenha um desempenho maior do que ele teria somente com o leite da mãe. Nós chegamos à conclusão que o produtor pode ganhar muito mais dinheiro, se ele entender que precisa entrar nesses negócios que envolvem a cadeia do caprino e ovino”, afirmou Robério Araújo.

O novo modelo agradou aos criadores que participam das palestras realizadas durante a Expocuraçá. O advogado e criador de ovinos e caprinos Ivanildo Almeida, quer implantar a nova metodologia em sua propriedade até o final deste ano.

“Eu acredito que é possível sim isso acontecer e já quero iniciar esse processo e quero até o final do ano, ter condições junto com outros produtores, de oferecer no mercado esse novo produto. No natal eu não quero comer Peru, vou levar o cordeiro Lechal pra minha mesa”, afirmou Ivanildo.

O criador Laércio de Jesus, que veio de Pilar, que é distrito do município de Jaguarari (BA), também ficou interessado na nova estratégia. “A forma que o Projeto Bioma Caatinga está propondo eu acho mais viável, porque nossa forma tem muitas coisas que não está certo. Então com essa orientação tem como a gente ter lucro de imediato. Eu gostei e vou trabalhar para implantar em minha propriedade”, disse o criador.

A proposta do Projeto Bioma Caatinga também incentiva os criadores a explorar outros produtos do caprino e do ovino com valor agregado. Como por exemplo, oferecer o esterco para a jardinagem e os produtores de manga, já embalado em embalagens padronizadas.

“Ele pode inovar nos negócios e facilitar o trabalho para quem tem jardim em casa ou para os produtores de manga e ganhar dinheiro com isso. Por exemplo, hoje o esterco é vendido no chiqueiro por cerca de R$ 2,50 (Dois Reais e Cinquenta Centavos) um carrinho de mão. Nós fizemos uma conta e chegado à conclusão que se ele embalar, ele pode vender essa mesma quantidade por até R$ 120,00 (Cento e Vinte Reais)”, garantiu Robério Araújo, coordenador do Projeto Bioma Caatinga.

Deixe uma resposta

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar Aceito Leia Mais

Política de privacidade e cookies