O site e guia da cidade

"Dr. Bumbum" diz ter sido vítima de atentado; polícia afirma que foi tentativa de prisão

0

“Dr. Bumbum” diz ter sido vítima de atentado; polícia afirma que foi tentativa de prisão

FÁBIO MOTTA/ESTADÃO CONTEÚDO

19.jul.2018 - O médico Denis Furtado, conhecido como "Dr. Bumbum", fala para a imprensa no 16ª DP (Barra da Tijuca), na zona oeste do Rio de Janeiro

19.jul.2018 –

O médico Denis Furtado, conhecido como “Dr. Bumbum”, fala para a imprensa no 16ª DP (Barra da Tijuca), na zona oeste do Rio de Janeiro

O médico Denis César Barros Furtado, conhecido como “Dr. Bumbum”, disse nesta quinta-feira (19) que demorou quatro dias para se apresentar à polícia para esclarecer as circunstâncias da morte de uma de suas pacientes porque teria sofrido um suposto atentado no último domingo (15). A polícia, por sua vez, afirmou que o episódio foi uma tentativa que policiais fizeram de prendê-lo.

Em uma entrevista à imprensa após ser preso na tarde de hoje, Furtado disse que o fato aconteceu quando ele saía do shopping Downtown, na Barra da Tijuca, e narrou como teria sido a perseguição por homens em um carro descaracterizado. Ele disse que dois tiros foram disparados.

O médico já havia relatado o suposto atentado em um vídeo publicado em sua conta no Instagram momentos antes da prisão. “Sofri um atentado com perseguição de fuzil e tiros. Achei que fosse uma represália da família da vítima”, declarou na gravação.

A delegada Adriana Belém, no entanto, afirmou que o que o médico chamou de atentado seria uma tentativa que policiais de sua equipe fizeram para prendê-lo.

Segundo ela, os agentes reconheceram o carro de Furtado e tentaram abordá-lo. Mas eles estavam disfarçados em um veículo não identificado. Isso teria feito com que seguranças do shopping efetuassem disparos acreditando que um crime estivesse ocorrendo.

Ninguém ficou ferido no episódio, e Furtado conseguiu deixar o local.

Ele e a mãe, Maria de Fátima Barros Furtado, 66, foram presos por policiais militares na tarde desta quinta-feira (19), no interior de um centro empresarial na Barra, e levados para a 16 Delegacia de Polícia do Rio.

A prisão temporária deles por 30 dias já havia sido decretada. Eles e mais duas funcionárias respondem pelos crimes de homicídio doloso e associação criminosa.

 

Deixe uma resposta

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar Aceito Leia Mais

Política de privacidade e cookies