PORTAL CASA NOVA - LOGIN
LOGIN PCN

29º Seminário Nacional de Cebola e 20º Seminário de Cebola do Mercosul’ tem adesão de estrangeiros, produtores e especialistas

0

Começou na manhã desta quarta-feira (26) o ‘29º Seminário Nacional de Cebola e 20º Seminário de Cebola do Mercosul’, no Complexo Multieventos da Univasf, em Juazeiro, no norte da Bahia. O evento, realizado pelas Associação dos Produtores de Cebola do Médio São Francisco (Aprocesf), Associação Nacional dos Produtores de Cebola (Anace) e a Embrapa, conta com a participação de estrangeiros, empresários, especialistas, pesquisadores, professores e estudantes. O congresso segue até sexta-feira (28).
Na cerimônia de abertura, estiveram presentes o assessor de Planejamento e Parcerias Estratégicas do município, Isaac Carvalho, a secretária de Agricultura, Maraiza Carvalho, o presidente do congresso, Pedro Cavalcante, os dirigentes da Anace, Antônio Carlos Pagano, e da Aprocesf, Eduardo Cavalcante, o representante do Mercosul, Sergio Daniani, emissários de estados produtores como Santa Catarina, São Paulo, Rio Grande do Sul, Paraná, Minas Gerais, Goiás, Rio Grande do Norte e Pernambuco, e dos países Argentina, Chile e Uruguai.
O presidente do seminário, Pedro Cavalcante, abriu oficialmente o evento às 9h. Lembrou o início tímido da cultura ceboleira na Bahia até o estado se tornar o segundo maior produtor nacional e traçou uma perspectiva positiva para a cebolicultura baiana. “Só em Irecê eu vi [a produção] chegar a 140 toneladas. Poucas cidades do Brasil conseguem isso”.
Representando o prefeito de Juazeiro, Paulo Bomfim, o assessor de Parcerias Estratégicas, Isaac Carvalho, afirmou que a produção de cebola é muito importante para o município. “Juazeiro, nestes últimos anos, tem sido destaque como uma das cidades que mais geram empregos de carteira assinada no Brasil e não tenho dúvida de que a cebola tem grande influência nesse desenvolvimento”, disse.
Durante a cerimônia, o argentino Sergio Daniani, fez uma análise sobre a importância do evento para parcerias entre Brasil e Argentina. “No seminário há uma troca de informações, é onde podemos tomar conhecimento dos trabalhos e das novas tecnologias desenvolvidas pelos países envolvidos, principalmente porque a cebola é o segundo maior em produção nosso país”, explica. A comitiva de Daniani também está no evento para divulgar a 21ª edição do Seminário de Cebola do Mercosul, que ocorrerá em abril de 2018, na capital Buenos Aires.
Depois da abertura, o congresso promoveu a primeira conferência do dia. O especialista da Epagri, Daniel Schmitt, liderou a palestra ‘Mercado de Cebola do Mercosul’. Schmitt mostrou a evolução da cebolicultura no Brasil nos últimos 25 anos e apresentou números de produção. Segundo ele, o consumo anual de cebola entre os brasileiros está em 1,44 milhões de toneladas, para uma produção que chega a 1,2 mil t/ ao ano. Para o especialista, o país deve desenvolver políticas de incentivo se quiser evitar que países como Holanda e Espanha preencham o espaço deixado por brasileiros e países do Mercosul.
 
Programação extensa
Após a pausa para o almoço, o seminário seguiu com mais quatro conferências. Na palestra ‘Melhoramento genético da cebola’, o pesquisador da Embrapa, Valter Rodrigues, apresentou duas novas variações da planta, desenvolvidas especialmente para o Vale do São Francisco. “Buscamos desenvolver materiais com características de cascas marrons e de longa vida pós-colheita”. “Temos boa expectativa que esse material vai alavancar a cultura ceboleira aqui na região”, disse.
O público ainda conferiu as palestras de ‘Nutrição eficiente para altas produtividades’, ‘Cultivo de cebola por semeadura direta’ e ‘Produção sustentável de cebola’. Na apresentação sobre semeio, o palestrante da Geocomercial, Franklin Silva, falou sobre as características do solo em Irecê (BA), explicando porque o município se tornou referência na alta produtividade da planta. “Devido a estudos e as características da cidade, já conseguimos escolher o momento certo de plantar”, afirma.
O congresso segue na quinta (27) e sexta-feira (28). A partir das 8h20, serão realizadas as palestras: ‘Armazenamento de Cebola Longa Vida’, ‘Desafios da produção de sementes de cebola no semiárido’, ‘Bacia do São Francisco – recomposição e defesa’, e ‘Melhoramento genético da cebola para clima tropical trás benefícios para produtores’. À tarde, a partir das 14h, a discussão é sobre ‘Irrigação por gotejamento – tecnologia para alto rendimento da cebola’, ‘Manejo produtivo da cultura da cebola’, além de um Painel dos Estados e do Mercosul, que trará dados de produção da cebola.
No último dia (28), uma visita de campo à área do Projeto Salitre, às 8h, deve promover a troca de conhecimento entre estrangeiros e especialistas locais sobre as atividades e projetos desenvolvidos no Vale do São Francisco.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar Aceito Leia Mais

Política de privacidade e cookies