PORTAL CASA NOVA - LOGIN
LOGIN PCN

Justiça decreta prisão de viúva, PM e primo dele por morte de embaixador, diz polícia

0

De acordo com o delegado Evaristo Pontes Magalhães, da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), o crime foi passional e há fortes indícios da participação da mulher de Kyriakos, Françoise Souza Oliveira, de 40 anos, com quem o embaixador tinha uma relação há 15 anos e uma filha de dez. Além dela, foram apontados pelo crime o PM Sérgio Gomes Moreira Filho, de 29 anos, amante de Françoise; e o primo dele, Eduardo Moreira de Melo, 24.

Os três tiveram a prisão decretada no plantão judiciário desta sexta, mas, até as 20h30, a informação não havia sido confirmada pelo Tribunal de Justiça. À noite, o trio seguia detido na delegacia, em Belford Roxo, e deveria ser levado a presídios neste sábado (31).

Em coletiva de imprensa na Cidade da Polícia, no Jacaré, o delegado responsável disse que o PM e o primo dele confessaram o crime. Eduardo, primo do militar, disse aos policiais que o assassinato foi planejado pelo PM e pela mulher do embaixador, que teria oferecido pessoalmente R$ 80 mil para que ele ajudasse na ação. Em depoimento, a viúva negou ter oferecido o dinheiro.

“Quando Eduardo chega [à delegacia], ele se revolta, entende como uma traição, e aí resolve revelar toda a trama criminosa. Ele falou que no dia anterior [domingo (25)], foi convidado por Sérgio e Françoise para planejar a morte [do embaixador].”

Embora Françoise não tenha confessado participação no crime, a mulher admitiu que sabia que o marido tinha sido assassinado pelo PM, com quem mantinha um relacionamento há seis meses. O militar era conhecido da família e costumava cuidar da casa que o embaixador mantinha em Nova Iguaçu. Confrontada pelos policiais, Françoise contou aos agentes que sabia do crime.

“Conseguimos demonstrar para ela que ela não tinha mais saída. (…) Aí, ela cai em contradição, cai em prantos e começa a relatar que o policial militar tinha sido o autor daquele crime de homicídio contra o esposo. [Ela] Disse que não queria que acontecesse, que não tinha culpa, que não tinha como ter evitado”, explicou o delegado. Magalhães disse que Eduardo não sabia que a vítima era um embaixador.

Polícia apura se carro e corpo carbonizados encontrados são de embaixador desaparecido (Foto: Reprodução TV Globo)

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar Aceito Leia Mais

Política de privacidade e cookies