Disputando 115 prefeituras no Estado, o PMDB foi o partido que mais teve gastos durante o primeiro mês de campanha, com R$ 2,4 milhões em recursos utilizados.  Segundo o TSE, entre os recursos gastos pelo PMDB, cerca de 40% foram de Mário Kértesz, que disputa a Prefeitura de Salvador. O candidato foi o que individualmente mais gastou em toda a Bahia – cerca de R$ 1 milhão.  O segundo peemedebista que mais gastou foi Wilson Costa, candidato em  Casa Nova, com gastos da ordem de R$ 308,4 mil. Seu principal adversário na cidade, o atual prefeito Orlando Xavier (PR) não registrou gastos.

 O Presidente do PMDB na Bahia, o deputado federal Lúcio Vieira Lima afirmou que os gastos feitos pelo PMDB nesta campanha devem ser relativizados, já que o partido tem 115 candidatos a prefeito e 115 candidatos a vice-prefeito na Bahia.

Segundo ele, os gastos em áreas como marketing  e publicidade têm tornado as campanhas mais caras, sobretudo no interior. “Por menor que seja o município, o candidato sempre contrata um marqueteiro, tem equipe para internet e produz vários jingles”, explica.

Enquanto seu adversário esbanja dinheiro a vontade com Marketing em seu gastos na campanha buscando uma a entrada espreitada para surpreender seu adversário que, dizem estar em “silencio” nesta, poucos carros de som nas ruas, carros de som sem circular, parados,  segundo informações estão sem receber seus honorários, o atual prefeito continua sua campanha com uma contingência em manter-se na sua designação no ano subsequente.