Um fato curioso aconteceu em Jequié, no interior da Bahia, quando o corpo de uma mulher foi velado na casa da família errada. A família estava no velório, achando que velava o corpo da jovem Fernanda, mas na verdade, era o corpo de Rogéria Santana de Oliveira, de 30 anos, natural de Itapetinga.

Rogéria era prostituta e morreu atropelada na BR 116, bairro Cidade Nova, em Jequié. O corpo de Rogéria estava no IML sem identificação, quando apareceu uma família dizendo ser parente da vítima. Uma funerária de Jequié preparou todo o velório, quando a dona de outra funerária descobriu a farsa e encontrou a verdadeira família de Rogéria na cidade de Itapetinga.

Maria Zeni Santana de Oliveira, mãe de Rogéria, veio a Jequié e foi até o velório, pediu para ver o corpo, mas houve resistência dos familiares e amigos. Depois de muita confusão permitiram que fosse feito o reconhecimento.

Dona Maria Zeni descobriu que era a filha por causa da tatuagem com os nomes dos filhos de Rogéria escritos no braço. A funerária teve que devolver o corpo para o IML e outra funerária fez o translado para Itapetinga.

fonte: radiosociedadeam