Mano Menezes ganhou sobrevida como técnico da Seleção Brasileira. Nesta quarta-feira, menos de uma semana depois da derrota para o México na decisão dos Jogos Olímpicos de Londres, sua equipe venceu um amistoso festivo contra a Suécia e reduziu a pressão por resultados. Os gols do triunfo por 3 a 0 no Estádio Rasunda foram marcados pelos atacantes Leandro Damião no primeiro tempo e Alexandre Pato (2) no segundo.
A partida serviu para os suecos se despedirem do Rasunda (onde o Brasil derrotou os donos da casa por 5 a 2 na final da Copa do Mundo de 1958), que será demolido e deu lugar a uma arena mais moderna a menos de 1 km de distância. Muitos dos ex-jogadores que disputaram aquele jogo – inclusive Pelé – foram homenageados antes do amistoso vencido pelo time de Mano.

jogo – A Seleção Brasileira parecia não partilhar da festa que os suecos faziam para dar adeus ao Rasunda. Enquanto passistas desfilavam no gramado alegremente ao som de samba e ex-jogadores eram homenageados com pompa, os medalhistas de prata (reforçados pelos titulares Daniel Alves, David Luiz, Paulinho e Ramires) das últimas Olimpíadas encaravam o amistoso com expressões enfezadas. Até o uniforme retrô azul, em memória do título mundial de 1958, foi rejeitado por causa do tecido pesado com maior retenção de suor.

A cautela brasileira não era demasiada para o momento de instabilidade. Com o seu emprego em risco, o próprio Mano andava de um lado a outro de sua área técnica à espera de boas jogadas e gols que diminuíssem a pressão sobre si. “Vamos agregar valores agora”, disse rapidamente, tentando se mostrar despreocupado. Após Pelé dar o pontapé inicial do amistoso contra a Suécia, o Brasil procurou seguir o exemplo de paciência do treinador e trocar muitos passes diante da forte marcação adversária.