O governo brasileiro se aliou aos da Índia e do Paquistão a fim de impedir a aprovação imediata de um plano de ação da Organização das Nações Unidas (ONU) que pretende reduzir o assassinato de jornalistas no mundo. Segundo a entidade independente mais respeitada nessa área, o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ), com sede em Nova York, 909 jornalistas foram mortos de 1992 até hoje no mundo. O Brasil ocupa a 11ª posição no ranking, com 21 mortos.  A aliança entre Brasil, Índia e Paquistão se deu na semana passada, nos dias 22 e 23, em uma reunião na sede da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), na França. Durante o encontro, o Conselho do Programa Internacional para o Desenvolvimento da Comunicação (PIDC) analisou o Relatório da Diretora-Geral sobre Segurança de Jornalistas e poderia dar sinal verde para a adoção do Plano de Ação da ONU sobre a Segurança dos Jornalistas. Como os três países não quiseram dar seu apoio imediato, a implantação desse plano de ação fica adiada para 2013. O Plano de Ação prevê mais divulgação, acompanhamento e controle de casos em que jornalistas são impedidos de exercer suas funções. Com informações da Folha.